14.5.08

Volátil

Permaneço imóvel
Em silêncio profundo
Entre grandes monumentos;
Montanhas.

Firme lago me espalho
Com a solidez de um espelho d'agua.
A frente, fronte instável, mutante
Onde ventos se transformam...

Há tormentas à beira mar

Quebram-se as ondas
Inesgotáveis
--lua cheia--
Sentimentos passageiros.

2 comentários:

Heyk Pimenta disse...

Quando você acerta, você acerta mesmo, Leon. Volto pra falar mais.

Beijo.

Minina disse...

como sempre, com alguma coisa sua, lembro d alguma coisa minha.

a imagem q me veio enquanto eu lia, foi, d cara, qdo eu morava em maceió. sei lá, 16 anos, há três anos. costumava sair da parte alta da cidade, aos sábados, sozinha, pra sentar à beira mar, molhar os pés na água, desagasalhada, sentir o vento forte salgado pernas e rosto e braços...

d costas para os prédios, sentava na areia, de frente pro marzão, ouvia o som pesado das ondas e depois colocava os fones no ouvido com as músicas q eu gostava naqele momento. normalmente pearl jam, los hermanos.... rsrsrsrsrs

angústia à toda e eu ali, qieta, d costas pros prédios, d frente pro mar.

lembrei dum trecho d uma música do pearl jam, q eu me emocionava mto qdo ouvia, tb, nestes momentos d beira mar: givem to fly, aí em baixo um trecho.

"Sozinho num corredor, esperando, trancado
Ele saiu de lá, correu por centenas de milhas
Foi até o oceano
O vento se levantou, colocando-o de joelhos
Uma onda surgiu quebrando como um murro no queixo
Entregando-lhe asas, 'ei, olhe para mim agora...'
Braços bem abertos tendo o mar como chão

Ele está voando!
Inteiro! (...)"


bjo, menino! mto feliz pelo texto e para ond ele me levou, o q me fez lembrar....

té!