23.1.08

In Fin...


Sem fim
Sem início
Do início ao fim
Infinito

4 comentários:

Lírica disse...

Tudo é um ciclo
Tudo sinto ser
um ínfimo fragmento
do infinito.
E em outros
pequenos ciclos
tudo tentamos por...
Tempo, espaço,
laços, passos
ao redor.
Repetindo-nos
vamos pra sempre
ou até saber
outro caminho de ser.

Victor Meira disse...

Acho simplória e não fui com a cara.

E confesso que grande parte da minha insatisfação tá no fato dela ter sido ilustrada por um Escher. Claro, nada contra o artista, mas o brilhantismo da imagem se mescla à impressão poética no todo.

Se a poesia precisa de um anteparo imagético, ou se faz parte do efeito e corpo da obra, que o faça o próprio autor, ou um de nós zinabrentos. Ou um amigo artista plástico. O Escher já é conhecido mundialmente, e sua obra já é brilhante.

Tô falando aberta e sinceramente dum grande desagrado meu, que é ver gente se escorar em artista grande pra apresentar a própria obra - que por enquanto é de artista pequenininho.

A poesia em si traz uma mensagem muito relevante, mas é simplória, de poquíssimas figuras, e pobre na construção poética e estética. Falo porque ainda tô relendo a dos pássaros, Sonhologia, que é bem melhor - ou ao menos, menos preguiçosa. E a imagem, mesmo que não necessariamente feita pelo poeta, não remete a um artista plástico da altura do Escher.

Escrevi muito (quase que o bastante frente à minha insatisfação ao me deparar com Escher ao abrir o blog hoje).

A poesia da líria floriu a postagem.

Leon, te adicionei no msn pra a gente trocar uma idéia qualquer hora.

Um abração enorme pra você.

manda disse...

boa inserida

Leon Prado... disse...

Bem, minha opinião eh de que eh uma boa poesia. o fato de ser ilustrado com um escher eh pq eu gosto dele. a poesia em sí veio do silencio e tédio noturo. Ela eh simples mas diz exatamente o que queria dizer.
e escher está ilustrando pq ninguém melhor que ele até hoje passou essa ideia de sem começo e sem fim.
não quero ficar justificando minha poesia, ela e todas as outras, não só minhas como de todos ou autores, são como vento: sopram e mexem com as folhas que se dobram ao seu vento, alguns ventos derrubam arvores outros apenas mexem na brisa que paira. seja brisa ou arvore alguem sempre se move, ou se comove...