20.11.07

Zumbi zumbido

Oxum banhou-se nos braços de Xangô,
E o céu clareou

Fui sua filha
Em palmares

Beijei seu pé roxo de terra
Fértil

Dancei com saía cru
Pra Zumbi sorrir, quizomba.
Culto santo

Quilombo, kilombo, ochilombo
Na língua nobre dos Bantos.
Hoje é dia de banzo
De palmares, seus ares.

4 comentários:

Guila Sarmento disse...

O passado toma ares e cores de presente e me impregna de cultura negra e me transporta para as suas festas ritualísticas que varam luas cheias...

Este seu poeminha despretensioso é uma delícia Carina!

Beijo

Guila Sarmento disse...

Uma pergunta, o banzo é triste, não é?

Carina Bentlin disse...

sim, o banzo é a saudade, q mata de tão profunda...

Heyk Pimenta disse...

olha,
eu sei que eu adoro afro samba.

mas não gosto de homenagem. e falei pra carina que todo mundo que quer dar uma de descolado fala em yoruba por aqui. Então tô um pouco cansado do vocabulário.

não me atraiu por isso. e vc sabe, num sou teórico, sou amante, se amei amei, se não amei me canta de novo.