3.3.10

Tanto faz

E foi assim
Que a vida ofereceu a ti tantos troféus
De prêmios tão pequenos,
Bem pequenos,
Mais que eu

Sei que te quero forte,
Sei que te quero fraca,
Eu quero teu afago,
Eu quero o teu tapa
Eu busco o teu beijo,
Respeito o teu choro
De tão infantil e tolo,
Receitei o meu remédio
Matei tua anemia,
Dei bom dia,
Tirei teu sono
Eu aceito você larga,
Espero você curta,
Eu espero teu endosso,
Aceito você turva,
Entendo a tua culpa,
Peguei tua dor no colo,
Roubei tua mediunidade,
Uni com boa vontade,
Aprendi uma oração pra
Dar vazão ao que eu sentia
Sei que eu te quero nobre,
Sei que eu te quero pobre,
Não esqueço os teus seios,
Suas curvas,
Seus apelos,
Sei que eu te quero linda,
Sei que eu te quero feia,
Eu quero você jovem,
Meia idade,
Idade inteira
Invado o teu sexo,
Te apresento nossos filhos
Roubo teu travesseiro,
Empresto o meu colo,
Ombro e pernas torturadas
Por toda essa ladeira,
Essa cadeira, essa escada
Sei que eu te quero inteira,
Aceito os teus pedaços
Sei que eu te quero viva
Não suporto você longe
Prefiro minha alergia
Que a saudade de outro dia

E foi assim
Que a vida ofereceu a ti tantos troféus
De prêmios tão pequenos,
Bem pequenos,
Como os meus.

6 comentários:

Lívia Ferreira disse...

Só não tanto faz, a pessoa.

Victor Meira disse...

Que coisa linda, Leo. Que declaração verdadeira, que impulso sensível, mano. Tem versos arrasadores. Se me permite foder a poesia alheia, faço meu recorte do que achei de mais preciso dentre os versos (acho que "Tanto Faz" tem uma homogeneidade linda que permite o recorte sem que se perca a essência). Aqui vai:

Espero você curta,
eu espero teu endosso,
sei que eu te quero linda,
te quero feia,
te apresento nossos filhos
e aceito os teus pedaços;
prefiro minha alergia.

Acho sempre lindo. Um doce de poesia.

Chammé disse...

Curcino,
esse comentário é saudade virtual já matada. E saudade pessoal por matar.

Rapeize, os adjetivos do Victao me infestaram, mas a sensação é a mesma. Esse poema é doce, mermão. Suave. Tem uma beleza de boa, hodierna, de um monte de troféu pequeno mesmo, mas valiosíssimo. Gostei muito da repetição do começo no final, mas de uma forma conclusiva, ficou uma ótima retomada. É bom, brou. É bom.

A suavidade dele, pra mim, é Sky Blue Sky do Wilco. Recomendo o disco.

tomazmusso disse...

parece letra de música...

isaac disse...

também gostei, em especial da transição entre as declarações "nobres" e as mais mundanas, manifestando uma cumplicidade acima da vida e da morte. belo poema cara..

Francesca de L. Martins disse...

Sensível. Linda.
"Peguei tua dor no colo". Sem palavras... [Boba]Estou sensível hoje, por isso quase choro lendo.[/Boba]
Declarações assim (de rasgar a alma e dizer o que sente), poucos fazem, e todos nós precisamos ouvir nem que seja por uma única vez em nossa história de vida.

Parabéns, mais uma vez!