5.4.09

Víscero

A poesia é cerne,
Carne exposta
De cheiro duvidoso.

Âmago amarrotado
Dum pobre coitado
Caído em pecado

São letras pescadas num vacilo,
Lágrimas ocultas em verso
Lampejam possíveis momentos.

Inexistência,
Saneamento mental
De passagem discreta
Em voz flagelada.

Imobilidade do imortal
Morto pouco a ponto
Em letras lacrimosas

Palpáveis

Falíveis.

6 comentários:

Victor Meira disse...

Essa poesia é linda, meu nego. As últimas palavras são sussurros, suspiros.

É linda.

Leonardo Curcino disse...

bonito isso! bem bonito! é uma definiçao bem caótica da poesia!

isaac disse...

é o que somos, meus caros, é o que somos... abraços

malaspina disse...

Muito bommmmmmmmmmm...

curta...e muito bonita.....

Malaspina pai

Heyk Pimenta disse...

"São letras pescadas num vacilo,"

"Imobilidade do imortal
Morto pouco a ponto
Em letras lacrimosas"

eu fico com a questão da letra,

o poema, por não ser todo cortado na tônica, me perdeu o ritmo na primeira leitura quando fui atrás dele achando que era música. Aí não gostei tanto. Mas o priemrio verso assinalo aí em cima eu já tinha reconhecido, o melhor verso do poema.

na segunda leitura, fui ler o poema, não fui ler música. aí gostei mais, aí vi cadência.

Mas ainda sim: tem coisa que parece que não pertence ao poema, engraçado isso né?

É por aí. Saneamento mental, ruim esse verso.

Mais o quê: Ah,
"Imobilidade do imortal
Morto pouco a ponto
Em letras lacrimosas"

inteligente e chamativa essa estrofe também. Legal. Mas não sei direito que foi que me chamou nela: talvez "o pouco a ponto", inteligente.

Enfim, um poemão.

Repense aí esses versos: de cheiro duvidoso, verso ruim.

o outro já falei. ah, "possíveis momentos" também é batido, esse poema pede mais.

Enfim: vamos de falar sério aqui nessa casa, porque a turma tá num marasmo danado, ou isso, ou de afago excessivo.

Abraço, mano!

Olha só, o pedro mota adorou sua ida no blog dele, falou que ficou encantado com a profundiade dos comentários e tudo. Legal. O pedro é amigão, gente como pouca.

Heyk Pimenta disse...

ah, e o título é bom.
e o fato de ser meta poema é meio chato.

o título é bom!