7.3.09

*exile on main street

O balde azul claro. O velho quintal.
O cabeçote sujo da memória.
Um filme que se soletra, a tacape, desde o fim.
Forte apache. Benflogin. A lisura do serviço.
Que ser moderno, meu bem, dá nisso.
Poemas sóbrios, beges, concisos.
E evitar no poema palavras como: Bugiganga.
220 volts. Rick Wakeman é o Olavo Bilac do rock.
Nem todo perna de pau tem seu dia de craque.
Estelionato. Western Spaghetti. Birra de criança.
Charme incerto de forasteiro, baby.
Que o cachê cobre a fiança.

*poema de Marcelo Montenegro

7 comentários:

william galdino disse...

Um poema de imagens numa tacada só. sem beges e sem concisões.

"Rick Wakeman é o Olavo Bilac do rock." hahha

Muito bom , até.

tomazmusso disse...

tive dificuldade de situar o poema, é assim mermo?



parece que o assunto não é o mais importante,


o willian mandou bem na opinião.

ou seja, gostei.
bota pra ler né...

Victor Meira disse...

São recortes de lances fortes e rebeldes, Caco. Interessante, atinge os sentidos.

Chammé disse...

Pô, fudidi, adorei.
O título é o LP dos Stones, que hoje é mitológico, mas na época, acredito, foi mais uma tentativa de fuga do rock com mais rock. Coisa lóki, né? Mas tem muito desse sentimento aqui. Tem coisa autêntica, como o "Rick Wakeman é o Olavo Bilac do rock", que já foi até comentado. Mas mesmo isso é visto como bege, como sóbrio. É a inovação descrente de quem toca um acorde de rock e sabe que num vai mudar muito, no fim das contas.

Pra ilustra como isso tá mesmo na energia que tavam os Stones em "exílio", se liguem no relato do Mick Jagger no lançamento desse disco na época:

"This new album is fucking mad. There's so many different tracks. It's very rock & roll, you know. I didn't want it to be like that. I'm the more experimental person in the group, you see I like to experiment. Not go over the same thing over and over. Since I've left England, I've had this thing I've wanted to do. I'm not against rock & roll, but I really want to experiment... The new album's very rock & roll and it's good. I think rock & roll is getting a bit... I mean, I'm very bored with rock & roll. The revival. Everyone knows what their roots are, but you've got to explore everywhere. You've got to explore the sky too."

Caco Pontes disse...

é, meu povo
a poesia de marcelo montenegro traz muitas imagens e referenciais pra reflexões e delírios incessantes. me amarro na parada. e de fato, é muito bom poder difundi-la pros companheiros abertos às possibilidades. grande abraço a todos!

Heyk Pimenta disse...

viva o marcelo montenegro, trinta anos sem largar o osso! viva!

Poesia Maloqueirista disse...
Este comentário foi removido pelo autor.