17.6.08

filé de peixe 21/06 21h


Abre as guelras sobre nós. Para quem não lembra, já falei do filé de peixe na resenha do homemúsica, do michel melamed. O filé é o melhor multitudo que o Rio de Janeiro apresenta hoje. Ele é filho torto do geringonça (projeto de produção cultural do sesc), nasceu pra dar conta das demandas que o geringonça não deu. E foi pra rua. Nasceu num bar da Tijuca. Parava o trânsito pra deixar as performances passarem, os poetas, os filmes, o filé. Não falo à toa que o filé é legal, ele resolve duas questões muito importantes no trato com a arte hoje: linguagem e acessibilidade.

Na linguagem o filé de peixe estabelece uma idéia de fluxo: as formas de arte que se apresentam pra galera acontecem sem muita interrupção, sem muito abre-alas, sem muita pompa: umas coisas vão substituindo as outras ou ocorrem em conjunto e a festa corre bonita. As coisas que correm no filé andam entre a intervenção sonora (pra isso cabe a banda misticow, cadeira cativa e parceira do filé) e corporal (nesse campo chamo atenção pro grupo 13 numa noite de quem quero tratar em breve) e visual, filmes e vídeos, poesia, performance e artes plásticas . A proposta é o experimento avançado, a proposição de proposições, intencionalidades e um monte de coisa do campo de sensível, que muito me interessam. O mote da coisa é seguro e assegurado pela PEP (película epidérmica pulsante), projeção de slides e 8mm que dão cama pras outras coisas, e passa o bastão pros filmes muito bem.

Na acessibilidade o filé já se explica: nasceu na rua, pro povo ver. Hoje tá na Lapa, num casarão bem curioso, com ingresso a dois reais. E a filipeta, o flyer, corre pra todo lado, na mão e na internet.

Aí o que sai disso: linguagem contemporânea e ousada a custo de cd pirata. O Filé é um puta contraponto à arte de virar funcionário da globo, um puta contraponto às vernissages fechadinhas só pra quem é da aristocracia neurótica carioca, uma puta contraponto a arte pausterizada e tentativas de torná-la tal e uma puta alternativa pra quem tá levando a brincadeira da arte a sério. Gran Filé de Peixe, com maiúscula.

Para quem quiser ver mais filé, e eu aconselho, clique aqui

2 comentários:

Victor Meira disse...

Legal nego!

Alex disse...

Salve Heyk!!
Olhar atento ao Filé desde o início de nossas ações.
É quem, há muito tempo, vem dizendo as coisas mais interessantes que podem ser ditas sobre nós..e que esperamos que sejam mesmo faladas..e tb através desse espaço amplificadas, enfim...
Filé assina em baixo!
Valeu pela força!
Linguagem e acessibilidade também se constroem com ações parceiras..coletivamente, buscando interlocução inteligente e aPIMENTAdas!!
Abração!!!!!!!!

alex topini