10.9.07

Mão da terra
....................aterra

Cadê a mão que roda a roda
Que mói o milho
Que mói a cana
Que faz a rapadura
Que arde a pinga pra tomar.
Cadê?

Cadê a mão do justo
Que a justiça quis provar
Não hesitou
Sua peixeira arriou
O bucho rasgou.
Cadê?

Cadê a mão do caboclo?
Que pica o fumo
Que fecunda sua semente na terra
Ministral da enxada
Sabedoria da terra
Da sua e do latifundiário.
È na terra que vive
É na terra que fecha sua conta.

Cadê a mão do atrevido?
Desliza na cintura da cabrocha
Não deixa de degustar
Tateando cada curva,
Delineando cada poro.

Cadê a mão do artista?
Que empunha seu instrumento
Que faz música abençoada
Que faz baixar na terra a sensibilidade
Que pinta pra nunca esquecer
E esquece de tanto ver...

Cadê a mão desse e daquele
Desta é destra.
Cadê a sua?
Desculpe a minha!

Das macias, almofadas e seda me lembram.
Mas procuro...
Cadê a mão?

Quero a mão
Que emoldura a cintura no samba
Da mão gestual da porta bandeira
Da suja de poeira, suspiro da terra. Reclame diário.

Nascido do ventre da terra roxa
................................................Fértil...
Uma mão me plantou
Cadê a mão?

Gerada, na mesma terra.
Também enterrada.
A terra é ventre e é cova.
Se puxa pela raiz da árvore,
É mão profanadora de tumba.

Quero a rústica, calosa.
Grossa e histórica.
Quero-as unidas
Fortes, corrente sem ferrugem.
................................................
.............................................
Cadê a mão?

5 comentários:

Zé(d's) Dead, Baby disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Zé(d's) Dead, Baby disse...

cadê você pererê?
só preu sabê?
aqui no "cunversê"
língua não é de intendê
reza pra mim, rezo procê!
nóis fais valê!

Heyk disse...

que doidera é essa zé?
hahaá!
muito bom.
Falando nisso comecei a ler sua obra.
tõ apreciando o seu humor.

Mas falando da carina,

eu acho que isso é uma reiteração antípoda armada, uma espécie de invólucro asmático pulsante.
mão na mão
um retorno ao toque quente
uma coisa mio maoista ancestral
mão que trabalha é a mão que dá na sua cara! e fim.

bom de mais, sem falar da mão-sexo e tal.

belo!

Carina Bentlin disse...

Zé, meninin do circulê!

então pessoas!
Mão é isso, é mão. Pra ninar, plantar, bater, acarinhar e o q a imaginação mandar!! haha, assim, bem fácil.

Carina Bentlin disse...
Este comentário foi removido pelo autor.